domingo, 8 de maio de 2011

Vou não, quero não, posso não !

Já repararam que quando se é criança, muitas vezes fazemos o que tem que ser feito somente porque somos obrigados? Até certa idade, se vai pra escola, se toma banho, se escova os dentes e coisas do tipo, porque nossos pais nos forçam. Acontece que ao passar do tempo, querendo ou não, acabamos responsáveis por nossas escolhas. Sua mãe, que te acordava aos berros quando você tinha 10 anos pra ir a escola, não dará a mesma importância quando você tiver 15 e com 20 ela possivelmente nem se lembrará de te acordar, ou que você tem que acordar cedo. Ou seja, se você não quiser acordar, problema seu, se você não quiser trabalhar idem.


Agora com a independência, vem responsabilidade, você terá que arcar com as conseqüências de seus atos. A partir de um determinado momento da vida, quem faz as escolhas que a envolvem é você, se você decidir que em vez de ficar em casa estudando vai sair com amigos, uma hora ou outra você pagará por isso. É aquela velha história, você colherá o que está plantando.


Plantar e colher, pra toda ação há uma reação não é? Quando Deus colocou o homem na Terra, deu-lhe uma ordem "De toda árvore do jardim comereis, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, não comereis..." (Gn 2:16-17). E o versículo continua: "... pois no dia em que dela comeres, certamente morrerás." O Senhor estava dizendo ao homem que caso resolvesse desobedecer à ordem dada, receberia uma conseqüência do seu ato: a morte. Se comesse, morreria.


Em Oséias 8:7 lemos que aqueles que semeiam vento colhem tempestade. Não é esquisito? Como vamos semear vento? Através de palavras grosseiras, desobediência, de atos agressivos. Por isso, se deve ter extremo cuidado e prestar muita atenção ao que se fala e ao que se faz, pois vamos colher os frutos de todos os nossos atos e palavras.


Um fariseu, doutor da lei, perguntou certa vez a Jesus qual era o grande mandamento da Lei. Jesus lhe respondeu que o primeiro grande mandamento é amar a Deus de todo o coração, de toda a alma e de todo entendimento. E o segundo, que vem ligado ao primeiro, é amar o próximo como a si mesmo (Mt 22:37-39). Agora o que amar ao próximo como a si mesmo tem a ver com plantar e colher? Simples: Tudo o que eu quero que façam a mim, vou fazer para os outros, vou amá-los como a mim mesmo, pois ninguém gosta de fazer mal a si mesmo, não é verdade? Assim, jamais farei algo à outra pessoa que não gostaria que fizessem a mim. Você quer amor? Dê amor. Quer respeito? Respeite os outros.


Quer ser abençoado? Abençoe a vida de alguém.

Parece fácil na teoria, mas na prática é diferente, somos seres humanos, temos emoções, sentimentos. Somos falhos, fracos e pecadores. Mas para agradar e fazer a vontade Dele, ninguém nunca disse que seria.

Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna. E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.

Gálatas: Capítulo 6. Versículos 8,9

Nenhum comentário:

Postar um comentário